terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Coletânea da Mata Atlântica

Fiz uma coleta em meus arquivos digitais e consegui juntar e usar desta ferramenta bacana que são os softwares e a rede virtual de informações. Até o final do ano prometo uma retrospectiva 2011.

Assistam e comente:

http://www.youtube.com/watch?v=-rraCczi2jQ&feature=plcp&context=C37eccacUDOEgsToPDskI7CnWn_gQ2aD87bP-SJmoO

Uma das mais belas fotos da Serra dos Mascates em meu arquivo: o COROPÓ Lambari (Sr. Walter) olhando para as torres de telecomunicações da cidade de Valença.

Aquele dia foi uma caminhada de pouco mais de 7 horas morro acima, fazendo um diagnóstico após queimadas em 2009.

Lambari na Serra dos Mascates

Mata Atlântica, ao fundo o vale do Rio Paraíba do Sul.

Os amigos e a direção da ONG COROPÓS: Leite, Ricardo, Sapinho e Lambari.

http://www.facebook.com/coropos

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

X Congresso da APEDEMA-RJ

ASSEMBLÉIA PERMANENTE DE ENTIDADES EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  - APEDEMA/RJ




O X Congresso da Assembléia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente – APEDEMA-RJ  será realizado nos dias 18 e 19  de Novembro de 2011, no Auditório do  SINDIPETRO, Av. Passos, 34 –  Centro – Rio de Janeiro - RJ, de 8:00h às 18:00h.


 PROGRAMAÇÃO

18 de Novembro de 2011 (Sexta-feira)
8:00h -  Credenciamento dos representantes e convidados/Café e Lanche de Recepção
10:30h – 11:30h -  Plenária de Abertura e Leitura e Aprovação do Regulamento Interno do X Congresso da APEDEMA-RJ
11:30h – 12:15h - Palestra  Tema:  Todos por um ambiente saudável
12:15h – 13:15h -  Almoço livre
13:15h – 14:45h - PAINEL 01- Educação Ambiental, como forma de Mobilização, Informação e Conscientização... 
14:45h – 15:15h - Intervalo/Café e Lanche
15:15h – 16:45h  - PAINEL 02 - Saneamento Básico para Todos
16:45h – 18:00h - PAINEL 03 – Energia e Desenvolvimento
18:00h – Final da apresentação do 1º dia

19 de Novembro de 2011 (Sábado)
8:00h -  Credenciamento dos representantes e convidados/Café e Lanche de Recepção
9:30h –10:30h - Palestra Tema: Qualidade de Vida na Cidade e no Campo
10:30h - 12:00h – PAINEL 04 - Agroecologia e  Mata Atlântica
12:00h – 13:00h -  Almoço livre
13:00h – 14:15h - PAINEL 05 - Políticas  Públicas e Controle Social
14:15h – 15:30h - PAINEL 06 – Urbanidade 
15:30h – 15:45h - Intervalo/Café e Lanche
15:45h  –  17:30h –Entrega do Relatório Final e  AGE - ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINARIA
17:30h –  18:00h -  Coquetel de Encerramento

OBS: TEREMOS ESPAÇO PARA EXPOSIÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. PORTANTO, OS INTERESSADOS DEVERÃO ENTRAR EM CONTATO O MAIS BREVE POSSÍVEL COM A COMISSÃO ORGANIZADORA

___________________       _____________________________               _______________________
 Jose Miguel da SilvaCoord. Executiva - Pres. Com. Organizadora 21 – 9615-9074            
 Markus S. W. BudzynkzCoord. Admin. Financeira - 1° Vice-pres.  Com. Organizadora  21  - 9370-5172
 Márcia das Graças MarquesCoord. de Comunicação - 2ª Vice-pres. Com. Organizadora  21 –  7699-8630
__   Edison Munhoz Filho Subcomissão de Articulação, Mobilização e Logística 21-  9618-4190  
       Marco Leão GelmanSubcomissão de Ética, Fiscal e  Financeira  21 – 9973-5908      
       Lucimauro David dos Santos - Subcomissão de  Divulgação, Relatoria e Sistematização 21 – 9356-0320

 Sede Provisória: Rua Visconde do Rio Branco, 54 – Parte - Centro – CEP 20.060-080 -  21-2510-2199  -  Rio de Janeiro/RJ
   

               FAÇA SUA INSCRIÇÃO!
   

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O nascer de uma Árvore!!!

Do broto vir nascer
e a árvore aparecer
de sua raiz vi surgir
e o tronco a lhe engolir
do tronco vi as flolhas aparecendo
e seus frutos pássaros comendo
do fruto uma bela fruta
que cai despedaçañdo-se no chão
de seu caroço um novo broto
pra novamente surgir do chão
aquela, a árvore inspiração



Poema de Mirtes Fernandes Andrade
1ª colocada no Concurso de São Pedro da Serra

Desenho animado produzido pelos alunos da E.M. Nadir Veiga Castanheira (Teresópolis -RJ) baseado no poema homonimo da aluna Mirtes Fernandes mostra a fases do desenvolvimento de uma árvore. O Objetivo é conscientizar sobre a preservação e a importância do meio-ambiente.

http://youtu.be/pgEWySTn9to

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Notícia: adiamento do I Fórum Rio Preto

Um adiamento de um Fórum sem data remarcada!


De: Comitê da Bacia Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul [mailto:cbhmediops@agevap.org.br] 
Enviada em: segunda-feira, 7 de novembro de 2011 10:39
Assunto: IMPORTANTE - ADIAMENTO I FÓRUM DO RIO PRETO
Prioridade: Alta

Prezados membros do Comitê da Bacia Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul, Sociedade Civil, Srs. Prefeitos, Secretários de Governo municipais e estaduais, Vereadores, Deputados Estaduais, Federais e Senadores dos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, vimos através desta comunicá-los o adiamento do I Fórum do Rio Preto para o ano de 2012 devido a incompatibilidade de agendas entre os palestrantes e a data de realização do evento.

Pedimos a compreensão de todos pois dentro em breve uma nova data será divulgada.

Nos colocamos à disposição para maiores esclarecimentos através do telefone (24) 3337-5661.


Atenciosamente,

Josemar da Ressurreição Coimbra
Presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul 

Flávia Cristina Pires
Coordenadora do I Fórum do Rio Preto





http://www.ceivap.org.br/index1.php

http://www.agevap.org.br/agevap/index.php?comite=cm_medioparaiba



quarta-feira, 2 de novembro de 2011

I Fórum do Rio preto

Estão chamando para mais uma discussão sobre nosso Rio preto, agora em Mauá, segue o convite gente amiga!!!


I FÓRUM DO RIO PRETO
CONVITE
COMITÊ Médio Paraíba do Sul

PROGRAMAÇÃO
data: 10/11/2011
local: Antigo Clube de Visconde de Mauá, R. Venceslau Brás, S/N
Distrito de Mauá, Resende/RJ

     O Comitê da Bacia Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul convida toda a comunidade da região do Rio Preto para participar do “I FÓRUM DO RIO PRETO” onde esperamos realizar um grande debate sobre os impactos ambientais das Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH’s) que estão previstas para serem construídas na calha do Rio Preto.

“É A SOCIEDADE QUEM CONSTRÓI A REALIDADE EM QUE VIVE”.

“PARTICIPE E AJUDE A CONSTRUIR A SUA REALIDADE”

9h às 10h
- ABERTURA (Café)

10h às 11h

- PLENÁRIA
OS IMPACTOS AMBIENTAIS DAS PCH’s NO RIO PRETO (RJ/MG)
Convidados: INEA / ANA / IBAMA / ANEEL


11h às 12h
- DEBATE

12h às 13:30h
- ALMOÇO

13:30h às 15h

A VISÃO DOS GESTORES E DA COMUNIDADE SOBRE O IMPACTO DAS PCH’s NO RIO PRETO
Convidados: CBH MÉDIO PARAÍBA / CBH PRETO PARAIBUNA INEA / IGAM / PREFEITURAS DO RIO PRETO


15h às 15:30h
- CAFÉ COM PROSA

15:30h às 17h
- APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL

17h
- ENCERRAMENTO

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Carta da Environmental Defender Law Center à Presidência da PETROBRÁS

Carta da EDLC para a PETROBRÁS em apoio aos pescadores da Baía de Guanabara

Ilmo Sr.
José Sergio Gabrielli de Azevedo
Presidente
Petróleo Brasileiro S/A - Petrobras
Avenida República do Chile, nº 65, Centro CEP 20031-912, Rio de Janeiro, RJ
Tel: (55 21) 3224-4477
8 de agosto de 2011

Prezados Sr. José Sergio Gabrielli de Azevedo,
O Centro Legal de Defensores do Meio Ambiente (EDLC) é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, com sede nos Estados Unidos, que se presta assessoria jurídica a indivíduos e comunidades que lutam contra a degradação ambiental e seus impactos negativos sobre os direitos humanos. O EDLC colabora com parceiros locais com vistas a responsabilizar judicialmente a empresas e governos em casos de violações aos direitos humanos. O EDLC também é uma das organizações que lutam contra uma crise mundial – particularmente aguda na América Latina e especialmente grave no Brasil – em que os cidadãos que defendem o direito a um meio ambiente saudável são perseguidos com a intenção deliberada de silenciá-los e intimidá-los.
A esse respeito, vimos pela presente chamar a atenção da Petrobras com relação à situação de Alexandre Anderson de Souza, que tem sido vítima de violência desde que começou a defender ativamente os direitos dos pescadores atingidos pelas obras dos gasodutos da Petrobras na Baía de Guanabara, mais precisamente, pelos projetos denominados: Projeto GNL (Terminal Flexível de Gás Natural Liquefeito da Baía de Guanabara) e Projeto GLP (Instalações do Terminal da Ilha Comprida, Adaptações do Terminal Aquaviário de Ilha Redonda e Dutos de Gás Liquefeito de Petróleo na Baía de Guanabara). Além disso, gostaríamos de recordar a Petrobras sobre sua responsabilidade pela situação de extrema vulnerabilidade em que, segundo fomos informados, se encontram atualmente as famílias de pescadores da Praia de Mauá e adjacências, município de Magé/RJ, devido à instalação de referidos gasodutos e à consequente inviabilização da pesca artesanal na região.
A situação de Alexandre Anderson de Souza, Diretor Presidente do Sindicato dos Pescadores Profissionais e Pescadores Artesanais no Estado do Rio de Janeiro (SINDPESCA-RJ) é extremamente preocupante. Alexandre, que recebeu a 23ª Medalha Chico Mendes de Resistência (Outorgada pelo grupo Tortura Nunca Mais RJ), já sofreu seis atentados, está ameaçado de morte e necessita viver sob proteção policial permanente (Outorgada pelo Programa Nacional de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos da Presidência da República). Já não consegue dormir devido ao temor de ser assassinado. O inicio da violência contra Alexandre Anderson e seus colegas, um deles já assassinado, coincide com o inicio das atividades dos pescadores na defesa seus direitos a partir da instalação dos gasodutos sem as devidas medidas compensatórias.
Infelizmente a Petrobras tem ignorado a situação de Alexandre, apesar de que a violência de que tem sido vítima parece estar relacionada com o trabalho de defesa dos direitos dos pescadores que Alexandre realiza. Entendemos que, no mínimo, a Petrobras deveria investigar se o pessoal que presta serviços de segurança para a empresa (ou para as empresas subcontratadas pela Petrobras) poderia estar envolvido nos ataques contra Alexandre.
Por meio da AHOMAR (Associação Homens do Mar da Baía de Guanabara) e agora do SINDPESCA, Alexandre tem defendido os interesses de centenas de pescadores e suas famílias que tiveram sua renda drasticamente diminuída devido à instalação dos gasodutos que os impedem de pescar. Essas famílias perderam até 80% de sua renda estão em situação de extrema dificuldade, porque não tem de onde tirar o
seu sustento. A pesca sempre foi sua principal atividade e fonte de renda há muitas gerações.
Aparentemente, a Petrobras é diretamente responsável pela perda de renda das famílias de pescadores, pois iniciou as obras de instalação dos gasodutos sem pagar a compensação devida às famílias que ficariam impossibilitadas de pescar e daí tirar o seu sustento. É importante deixar claro que esta não parece ser uma omissão acidental por parte da Petrobras. Os autos da ação civil pública promovida pelo Ministério Público Federal (Processo nº 2009.51.14.000500-7, 1ª Vara da Justiça Federal da Subseção Judiciária de Magé/RJ), em que a Petrobras se negou a celebrar o termo de ajustamento de conduta proposto permitem
essa conclusão. Naquela ação, a Petrobras apresentou uma proposta alternativa que foi considerada insuficiente pelo Ministério Público e recorreu da decisão judicial que havia determinado o pagamento de um salário mínimo mensal a cada família de maneira provisional.
Ao privar os pecadores de sua fonte de renda e negar-se a pagar as indenizações devidas a Petrobras está contribuindo para o empobrecimento dos pescadores, apesar de que é evidente que existe uma relação de causalidade entre a perda da renda das famílias de pescadores e a inviabilização da pesca pela instalação dos gasodutos. Segundo afirmou o Ministério Público Federal com base em laudo pericial realizado, a Petrobras estaria “esquivando-se de assumir esse ônus diretamente”.
A atitude da Petrobras no caso de Alexandre Anderson de Souza e dos pescadores da Baia de Guanabara é incongruente com os compromissos que a empresa assumiu em nível nacional e internacional no âmbito da responsabilidade social corporativa. A Petrobras é signatária do Pacto Global das Nações Unidas, mediante o qual se comprometeu a “apoiar e respeitar a proteção de direitos humanos” e “assegurar-se de não participar em violações desses direitos”. A atitude da Petrobras no presente caso também é incompatível com os “Princípios Éticos do Sistema Petrobras”, anunciados em sua página na internet, segundo
os quais as ações da Petrobras seriam guiadas, entre outros princípios, pela “responsabilidade” e “coerência entre o discurso e a prática”, além da adoção do “critério de máxima realização dos direitos” e “cumprimento da lei”. A lei, nesse caso, determina a obrigação de indenizar os danos causados, independentemente de culpa (Lei 6.938/81, artigo 14§1º).
Sabemos que em outros lugares a Petrobras goza de bom conceito e inclusive que financia projetos sociais bem sucedidos. Por isso mesmo, é bastante desafortunada a maneira como a Petrobras vem tratando o caso dos pescadores da Baía de Guanabara. Face ao exposto, é urgente que a Petrobras tome as medidas necessárias para solucionar o problema que criou. Para tanto é necessário que pague as indenizações devidas a todas as famílias atingidas pelas pela instalação dos gasodutos na Baía de Guanabara. Além disso, é necessário que a Petrobras busque, em conjunto com os pescadores, uma solução sustentável e de longo prazo para as famílias que dependem da pesca. Por outro lado, é urgente a intervenção da Petrobras para que cesse imediatamente a violência contra Alexandre Anderson de Souza e os demais pescadores da região. 
Esperamos uma pronta resposta da Petrobras indicando as medidas que se propõe a tomar com vistas à resolução das questões aqui levantadas. Dada a gravidade da situação esperamos que a Petrobras atue com rapidez para cumprir com suas obrigações legais com relação aos pescadores atingidos pelos gasodutos, assim como com os compromissos públicos que assumiu no âmbito do respeito e da proteção dos direitos humanos e da sustentabilidade.
Atenciosamente,
Diretor Executivo
C/C
Petrobras ouvidoria e acionistas: ouvidoria@petrobras.com.br; acionistas@petrobras.com.br
United Nations Global Compact, Ursula Wynhoven Head, Policy and Legal Integrity Measures: wynhoven@un.org
Pacto Global Rede Brasileira: pactoglobal@pactoglobal.org.br
Relatora Especial das Nações Unidas sobre a Situação dos Defensores dos Direitos Humanos, Margaret SEKAGGYA: defenders@ohchr.org; urgent-action@ohchr.org
Sif Thorgeirsson, Gerente, Projeto de Responsabilidade Legal Corporativa:
thorgeirsson@business-humanrights.org
Amanda Romero Medina, Pesquisadora e Representante para a América Latina e o Caribe:
romero@business-humanrights.org

OBS.: fiz mudanças de caráter de formatação, somente.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A PETROBRÁS já está fazendo futuro. Vamos descobrir dentro do desenvolvimento.

A PETROBRÁS está em vários países, dentre eles: Brasil, Angola, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, EUA, Índia, Irã, Japão, Líbia, México, Moçambique, Namíbia, Nigéria, Paquistão, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido, Senegal, Tanzânia, Turquia, Uruguai e Venezuela. É a empresa brasileira que mais gera patentes, são 72 depositadas no Brasil em 2008. Está na 8ª colocação em valor de mercado: US$ 164,8 bilhões no final de 2008. Está entre as 7 empresas brasileiras no índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI), dentreo as 318 no mundo no ano de 2010. É a 4ª maior empresa de capital aberto do continente americano e a maior da América Latina, A MAIS SOCIALMENTE RESPONSÁVEL DO BRASIL com centenas de projetos sociais, culturais, ambientais e esportivos. É a primeira empresa a produzir petróleo no Pré-Sal Brasileiro com cerca de 5 a 7 mil metros abaixo do nível do mar produzindo, no final de 2010, 100.000 barris/dia e com meta de 1.000.000 barris/dia até 2017, 1.800.000 barris/dia em 2020 sendo previstos um montante de US$ 111,4 bilhões até 2020.

Distribuição das reservas de Petróleo no Mundo hoje:

  1. 53% Oriente Médio
  2. 21,9% Europa + Ásia Setentrional
  3. 8,1% África
  4. 6,6% América Central + América do Sul
  5. 5,2% América do Norte
  6. 5,1% Sudeste Asiático + Oceania
Consumo de Petróleo no Planeta
  1. 100% = 7% China + 23% EUA + 70% resto do Mundo
Os países produtores
  1. Arábia Saudita
  2. Rússia
  3. EUA
  4. Irã
  5. China
  6. México
  7. Canadá
  8. Emirados Árabes Unidos
  9. Venezuela
  10. Kuwait
  11. Noruega
  12. Nigéria
  13. Brasil
  14. Argélia
  15. Iraque
Em 1953, ano de sua criação, a PETROBRÁS produzia 2.300 barris/dia, com a tecnologia de extração do Pré-Sal o Brasil poderá ser o 4º maior produtor em 2030 e a nossa produção corresponde a 85% da extração no mar. 
A sociedade humana em seus afazeres diários consome 135 milhões de barris, mensurando as outras fontes de energia fica 55% da energia consumida por conta do Petróleo e a conta no Brasil é de 47%.

Um calendário histórico (em homenagem ao meu Mestre Rogério Tjader):
  • 1939 - primeira descoberta de Petróleo no Brasil;
  • 1953 - é criada a PETROBRÁS em 3 de outubro pelo então Presidente, agora democrático, Getúlio Dornelles Vargas;
  • 1962 - a produção alcança 100 mil barris/dia;
  • 1968 - primeira descoberta de Petróleo no mar brasileiro;
  • 1977 - produção de Petróleo em águas rasas de 142 m de profundidade;
  • 1988 - produção de Petróleo em águas profundas de 492 m de profundidade com a PETROBRÁS como pioneira;
  • 1997 - a produção alcança 1 milhão de barris/dia em águas mais ultraprofundas de 1709 m;
  • 2003 - a produção alcança 2 milhões de barris/dia batendo o recorde mundial em águas ultraprofundas de 1.886 m;
  • 2005 - estudos indicam a viabilidade e existência de petróleo na camada Pré-Sal na Bacia de Santos (o Pré-Sal se chama assim porque sobre ele se depositou uma camada de sal, quando da divisão do continente Gondwana, vou deixar pra outro post);
  • 2006 - Brasil se torna autossuficiente na produção de Petróleo perfurando o primeiro poço na reserva de Tupi em águas ultraprofundas de 2.200 m encontrando os sinais do líquido viscoso abaixo da camada de sal, a espessura da camada de sal é de 2.000 m abaixo da água;
  • 2007 - anunciado a estimativa de volume das reservas em Tupi de 5 a 8 bilhões de barris - o que me diz que é finito;
  • 2008 - anunciado a estimativa de volume das reservas em Iara de 3 a 4 bilhões de barris e no Parque das Baleias de 1,5 a 2 bilhões de barris;
  • 2009 - início dos testes de extração em Tupi;
  • 2010 produção de 100 mil barris/dia no Pré-Sal;
  • 2017 - Estima-se 1 milhão de barris/dia no Pré-Sal;
  • 2020 - a estimativa chega em 1,8 milhões de barris/dia no Pré-Sal;
  • 2030 - seremos o 4º maior, acredito homenageando o Rubinho.
As reservas e suas características:
  • Parque das Baleias: 1.500 m de profundidade de água e 3.500 m de profundidade total;
  • Parati: 2.038 m de profundidade de água e 6.075 m de profundidade total;
  • Carioca: 2.135 m de profundidade de água e 5.225 m de profundidade total;
  • Guará: 2.141 m de profundidade de água e 5.000 m de profundidade total;
  • Bem-te-vi: 2.144 m de profundidade de água e 6.002 m de profundidade total;
  • Júpiter: 2.187 m de profundidade de água e 5.125 m de profundidade total;
  • Tupi: 2.200 m de profundidade de água e 5.000 m de profundidade total;
  • Iara: 2.230 m de profundidade de água e 5.600 m de profundidade total; e
  • Caramba: 2.239 m de profundidade de água e 5.007 m de profundidade total.
A distância do Pré-Sal até a costa brasileira é de 300 km.

Regulação: no Brasil a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) regula a exploração pelas empresas. A concessão é arrematada em leilão público abeto a empresas de todo o mundo. As áreas do Pré-Sal já concedidas pela ANP somam 41.772 km², 28% do total e a PETROBRÁS tem participação em 35.739 km², 24% do total, trabalhando sozinha ou em parceria com outras empresas. São números de 2010 e o resto da região não podem ser explorados. quando a PETROBRÁS anunciou as descobertas no Pré-Sal, a ANP suspendeu o leilão de novas áreas, que serão liberadas depois do novo marco regulatório onde vai definir como será o modelo de exploração do Pré-Sal e como ficará a divisão dos lucros entre a União e as empresas que estiverem explorando os blocos.

FONTES: ANP; Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP); Empresa de Pesquisa Energética (EPE), e Energy Information Administration (EIA).

LINKS RELACIONADOS:


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

S. M. (Salário Mínimo)

Chico Revolução

Na república brasileira
Tudo anda mal
Um dos menores salários mínimo
Do mundo atual
Não há lisura no mundo
E ninguém manda um sinal
O desemprego e as demissões
Parecem coisa banal
A economia cresce pouco
Já despencando no capitalismo central
Se reclamo sou herege
Como classificar o fato real?
Sobra uma sociedade
Sem estrutura dimensional
ai meu salário mínimo
Que não chega um adicional
E tudo gira em torno
Do mundo do carnaval
O enredo de tudo isto
Crucifica o trivial
A algo meio desdito
No processo governamental
Por favor comandante
Aumente meu salário mínimo
Pra que eu possa
Navegar a nau
Quanto à isto não há dúvida
É uma necessidade real
Assim não dá
Para o Brasil ser social

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Canoada no Rio Preto, continuação

CANOADA EM LOUVOR A NOSSA SENHORA APARECIDA. As comunidades de Manuel Duarte RJ e Porto das Flores MG promovem na quarta feira do dia 12 de outubro de 2011 o trajeto da padroeira pelas águas do rio Preto, iniciando as quinze (15) horas da tarde, próximo a fazenda da Loanda, na foz do rio das Flores. A população poderá fazer a vigília na ponte, por onde a imagem seguirá em cortejo até a igreja local.
As embarcações serão conduzidas pelos barqueiros locais, introduzindo Nossa Senhora Aparecida no contexto em que surgiu para o povo brasileiro: os pescadores e as águas da bacia do rio Paraíba do Sul.
Através deste evento, as Paróquias de Rio das Flores-RJ e Belmiro Braga-MG visam promover a conscientização ambiental do mais importante afluente da bacia do rio Paraíba do Sul e a valorização dos ofícios dos canoeiros e dos pescadores, que representam uma das maiores tradições dessas localidades.
Organização:
Paróquias de Belmiro Braga-MG e Rio das Flores - RJ
Comunidades de Manuel Duarte RJ e Porto das Flores MG.
Igreja de Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora das Dores.
Prefeitura Municipal de Belmiro Braga – MG.
Prefeitura Municipal de Rio das Flores – RJ.

Canoada no Rio Preto.

CANOADA EM LOUVOR A NOSSA SENHORA APARECIDA. 12 de outubro de 2011 - Manuel Duarte RJ e Porto das Flores MG. O evento terá como atrativo principal o cortejo da imagem da padroeira pelas águas do rio Preto, conduzidas pelos barqueiros locais. A população poderá fazer a vigília na ponte, por onde a imagem seguirá até a igreja local Programação: 14:30 – Condução da imagem de N. S. Aparecida pelos cavaleiros até a foz do rio das Flores, próximo a fazenda da Loanda.
15:00 – Benção das embarcações e Canoada conduzindo a imagem da Santa pelo rio Preto.
16:30 – Missa na Igreja de Nossa Senhora Aparecida (Manuel Duarte).
Organização:
Paróquias de Belmiro Braga-MG e Rio das Flores-RJ.
Igrejas de Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora das Dores.
Comunidades de Manuel Duarte RJ e Porto das Flores MG.
Prefeitura Municipal de Belmiro Braga – MG.
Prefeitura Municipal de Rio das Flores – RJ.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

PCH Santa Rosa 1, continuação

Recebi alguns mapas que quero divulgar, mas na reunião de segunda-feira que vamos reconhecer, quiçá, o inventário e a viabilidade do empreendimento!



segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Exemplos de comunidades que proibiram PCHs

Os crimes ambientais nesse Brasil, a Lei Federal 9605, não é consolidada em nosso território, quiçá por força dos poderes instaurados!
Mas em outros territórios nacionais, as mobilizações e ações públicas fazem juz ao princípio da PARTICIPAÇÃO POPULAR!
Em Ourinhos-SP, pouco mais de um mês atrás, a Câmara de Vereadores por unânimidade aprova a proibição da construção da PCH no leito do Rio Pardo.

http://www.diariodeourinhos.com.br/noticia.asp?codnot=4982

Já na Estância Turística de Piraju, também no estado paulista teve vez a voz do povo consensuada em sua Agenda 21 e Conselho Municipal do Meio Ambiente e Patrimônio Cultural. A Câmara dos Vereadores aprovou lei também proibindo a construção do PCH no leito do Rio Pardo, também!

http://www.chegadeusina.com.br/2011/07/ourinhos-proibe-usina-hidreletrica-em.html

Em Minas Gerais, Aiuruoca, o problema está só aumentando, pois a empresa que pretende constrir a PCH, ERSA, formalizou pedido de Licença Ambiental, foi exigido novos estudos para tal e assim modificaram o projeto de PCH para UHE (Usina Hidrelétrica de Energia), ou seja uma grande barragem. Mas a proprietária da gleba abrangida pede as autoridades competentes que anulem determinada licença pois declara: "sou absolutamente contra a instalação de qualquer tipo de coisa que venha prejudicar o meio ambiente ou aquela área em especial”.
http://www.cachoeiradotombo.com.br/crimesambientais.htm


Vídeos das corredeiras do Rio Preto

Recebi este link e vale a pena multiplicá-lo para mobilizarmos o maior número de pessoas sobre o que o "capital" e sua opressão está tentando impor em nosso território!
Assistam, vale a pena:

http://www.youtube.com/watch?v=UobWR2BBkZE

http://www.youtube.com/watch?v=OdmdAi_tgaE&feature=related

PCHs ou Economia Verde?!

Existem várias PCHs em estudo de viabilidade na bacia do Rio Paraíba do Sul! Existem vários exemplos de que esse empreendimento é inviável.
A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB - The Economics of Ecosystems and Biodversity) é um relatório lançado na 10ª Conferência das Partes (COP10) da Convenção da Biodiversidade da ONU, onde, dentre outros, destaca o papel das cidades e das florestas na mensura econômica dos ecossistemas planetários.
Este relatório serve como base para avaliação da preservação e exploração sustentável do ambiente natural, pontos importantíssimos para a continuidade de Vida Humana no Planeta. Neste relatório cita-se exemplos de autoridades locais que já perceberam essa importância de inclusão dos ecossistemas em seus planejamentos urbanos e rurais.
As Cidades Verdes, o TEEB para políticas locais e regionais comprovam a importância da inclusão dos serviços, fontes de matérias-primas e belezas cênicas nas decisões políticas tendo como ganhos sociais a economia do erário, impulsiona o desenvolvimento sustentável, meios de subsistência, a qualidade de vida e geração de empregos verdes!
O relatório do TEEB e seus estudos estão disponíveis em:

http://www.teebweb.org/

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

As Pequenas Centrais Hidrelétricas e a Bacia do Rio Preto, MG e RJ.

Águas em nosso Rio Preto!

Está em pauta, inventário, desde de o início deste milênio o aproveitamento hidrelétrico e em escala na bacia do Rio Preto, integrante da bacia do Rio Paraíba do Sul. O Rio Preto  faz parte de uma rede biodiversa hidráulica entre as bacias do Piabanha, Paraibuna e Muriaé. Estes são rios de grande importância para o sudeste brasileiro. são considerados de boa qualidade, potalidade, e faz a serventia geográfica de limitação, por quase toda extensão, entre os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro. As cidades e seus concidadãos que vivem e sobrevivem poluíndo-o livremente serão "agraciados" com a construção de 8 PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas), sendo sabido que já existem em operação 4 destas, sendo 3 em consessão da CFLCL (Companhia Força e Luz Cataguazes Leopoldina) gerando 2,7MV de potência e uma em consessão da CERJ (Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro) gerando 20MV.
As que se encontram em inventário ou em estudo de viabilidade, no papel, gerarão pouco mais de 165MV variando entre 5MV na PCH Providência em Providência Teresópolis tendo a consessão da ANEEL, e a 47,3MV na PCH Santa Rosa 1 em Manuel Duarte, Rio das Flores-RJ e Porto das Flores, Belmiro Braga-MG. A primeira teve em 3 de agosto uam reunião com técnicos da empresa de consessão, desta vez a Poço Fundo Energia, conforme
http://teresopolisonline.blogspot.com/2011/08/apresentados-projetos-de-pchs-pequena.html
a reunião foi de apresentação generalizada sobre a visão de implantação desses empreendimentos em âmbito nacional, mas a cidade é parte da história ambiental global. Enfim, aquela palestra mecânica para relatório funcional.
Já para a PCH Santa Rosa 1 foi convocada uma reunião pelo IBAMA, segue o texto dos ambientalistas do território que sofrerá impacto diretamente:


MEIO AMBIENTE EM PERIGO !!!


 SOS CORREDEIRAS DO RIO PRETO.


O IBAMA CONVOCOU OS MORADORES DE MANUEL DUARTE E PORTO DAS FLORES (SITUADOS NOS MUNICÍPIOS DE RIO DAS FLORES-RJ E BELMIRO BRAGA-MG) E DA REGIÃO ENVOLTÓRIA PARA PARTICIPAR DO LICENCIAMENTO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA (PCH) SANTA ROSA 1. ELA FICARÁ NUM DOS TRECHOS DE MAIOR EXCELÊNCIA AMBIENTAL DO RIO PRETO, QUE, DEVIDO A QUALIDADE DE SUAS ÁGUAS É CONSIDERADO O MAIS IMPORTANTE CURSO D´AGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAIBA DO SUL. A USINA ATINGIRÁ CERCA DE 09 KM DE EXTENSÃO, ONDE SE CONCENTRA UM RICO PATRIMÔNIO NATURAL E UMA GRANDE BIODIVERSIDADE DA VIDA BOTÂNICA E SILVESTRE (COMO ESPÉCIES DE BROMÉLIAS E LOCAL PARA A PIRACEMA DOS PEIXES).


AS DIVERSAS ILHAS DE MATA ATLÂNTICA E SUAS CORREDEIRAS FORMAM UM CENÁRIO DE RARA BELEZA PAISAGÍSTICA. AONDE COEXISTEM VÁRIOS REMANESCENTES HISTÓRICOS DO CICLO DO CAFÉ - COMO AS RUÍNAS DA FAZENDA CACHOEIRA, O RAMAL DE CARRUAGENS DA LENDARIA ESTRADA UNIÃO E INDÚSTRIA E O ENGENHO DE PEDRA DA FAZENDA SÃO JOAQUIM.


TUDO ISSO SE PERDERÁ PARA SEMPRE, TRATA-SE DE UM IMPACTO IRREVERSÍVEL, AO INVES DAS CORREDEIRAS TEREMOS UM RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARADA ACUMULANDO DETRITOS E PODENDO PROVOCAR DOENÇAS. LOGO ABAIXO DO PAREDÃO (NAS PROXIMIDADES DA LOCALIDADE DE SANTA ROSA) O RIO DEIXARÁ DE SER ENCORPADO, POIS GRANDE PARTE DA ÁGUA SEGUIRÁ POR UM TÚNEL.


A PCH É UM PROJETO DEFINITIVO, FICARÁ AQUI POR SECULOS. DIFERENTEMENTE DAS USINAS MAIORES, A PCH NÃO VAI DEIXAR NENHUMA COMPENSAÇÃO FINANCEIRA (ROYALTIES) PARA AS PREFEITURAS. SERÁ QUE VALE A PENA SOFRERMOS TÃO GRANDE PERDA EM TROCA DE UM EMPREENDIMENTO QUE OFERECERÁ EMPREGOS QUE TERMINARÃO EM CERCA DE DOIS ANOS?


A PCH TIRARÁ NOSSO POTENCIAL PARA DESENVOLVERMOS O TURISMO LOCAL E REGIONAL ATRAVES DA CRIAÇÃO DE UM PROJETO NOS MOLDES DE UM ESPAÇO ECOLÓGICO, QUE RECEBE VERBAS. O RIO PRETO DIVIDE DOIS ESTADOS E VÁRIOS MUNICIPIOS, TERÍAMOS ASSIM DIVERSAS FONTES PARA CUIDAR E USUFRUIR DE UMA ÁREA DE TAMANHA BELEZA.


A REUNIÃO ESTÁ MARCADA PARA O DIA 29 DE AGOSTO, ÀS 18:30 NA ESCOLA MUNICIPALIZADA DE MANUEL DUARTE (2 DISTRITO DE RIO DAS FLORES-RJ).


VENHA PARTICIPAR DAS DISCUSSÕES SOBRE OS REAIS EFEITOS DESTE EMPREENDIMENTO EM NOSSAS VIDAS.



domingo, 17 de julho de 2011

A Cultura do Ambiente, no Ambiente e Ambiental

             No tema da ambientalidade é visto que existem muitos Diplomas Legais, Programas Governamentais, projetos do terceiro setor e de algumas Unidades de Ensino. Mas o importante está fora de nosso controle: a diminuição do impacto da interferência humana ao ambiente natural.
                O humano vem agredindo o ambiente natural desde sua sedentarização, mas o quantitativo populacional agora e seu consumo de supérfluos é superior ao potencial de regeneração de nossa casa, o Planeta Terra. A natureza humana lega características instintivas, biológicas e psíquicas. Cada indivíduo inconscientemente segue as tendências estipuladas na história social e humana, ou seja, o coletivo pré-determina os interesses individuais criando a rede cultural de produção, distribuição e consumo de bens duráveis, e em maior escala de bens não-duráveis.
                A percepção, também estipulada, que a Organização das Nações Unidas em seus diversos Fundos, Agências Especializadas e Programas visam para a diminuição do impacto ambiental pelo homem podem ser exemplificados analisados objetos, objetivos, métodos e hipóteses estarão sempre partindo do princípio da precaução. Não defendo aqui a ONU, mas lembro que legalmente e em Tratados internacionais e intergovernamentais rezam teses e seqüências lógicas literárias para extraterrestre algum achar defeito, pelo contrário, acredito que irão copiar os textos.
                O que acontece no cotidiano, ou cotidiário, por que é diária a produção cultural humana e não anual, até existem procedimentos objetivando a sustentabilidade ambiental daquele território, ou menos, de um grupo social pré selecionado, ou estipulado, naquele território, o que não pulveriza, não extingue o instinto humano de agressividade e o não envolvimento espiritual e de respeito para com a natureza. Objetivar a sustentabilidade ambiental requer o entendimento do que vem a ser sustentabilidade ambiental. A rede abiótica e biótica existente se integra de forma sustentável (quando não existe a intervenção humana), heterogênea por si só e praticamente impossível o desvendar de sua complexidade, sua relação de dependência e sua diversidade. Então, neste ponto de vista, a sustentabilidade diz respeito à integração das necessidades de vida e sua manutenção. E se é posto o vocábulo ambiental pode-se dizer que a sustentabilidade aqui discutida é direcionada a percepção do ambiente, ou seja, do ser vivo capaz de perceber, ou seja, do indivíduo humano e seu instinto de percepção adequado ao valor de qualidade de vida e respeito mútuo.
                Por assim dizer então a cultura do ambiente, no ambiente e ambiental é o novo paradigma, uma nova filosofia de vida. É produzir toda nossa cultura de produção, distribuição, consumo e tratamento adequado ao produto inutilizado, pois tudo o que se é produzido pelo homem gera produto inutilizado, gera resíduo, gera lixo. Este é o nosso problema maior, nossa percepção de precaução é para ser consolidada em nossa responsabilidade cidadã para com os resíduos por nós produzidos. Como se fará esta mudança, esta revolução social? A educação formal seria a ferramenta adequada, mas não me cabe neste artigo discutir a falência do sistema de ensino sob a dimensão ambiental. A educação informal é a ferramenta adequada em consonância e adicional à educação formal. Neste método existe o potencial de salva guardar os princípios libertários, autodidatas e de praticas para aprendizagem onde o educando aprende exercitando, agindo, produzindo livremente seu material de percepção do aprendizado, a conhecida avaliação, que tem que ser relacionado à produção artística, literária, a intervenção cultural e sendo intervenção cultural tem a liberdade poética do artista.
                A pulverização neste método e tendo o resíduo como ferramenta pedagógica se fará através da estruturação da rede social da sociedade civil organizada existente: ONGs, Igrejas, Associações de Moradores, Associações de Classes, Cooperativas e através dos regimentos legais submeter o Estado em todas suas esferas e estrutura aos métodos adequados, sustentáveis ambientalmente. Consolidada esta rede social, formata-se o mapa, a geografia do território, a integração e a inter responsabilidade social. Também fica evidenciada as características do território, suas carências e seus potenciais.

sábado, 16 de julho de 2011

Somos sujeitos históricos.

Parabéns a todos! Moramos num território onde as pessoas se conhecem, se chamam pelos nomes e se caso não sabe os nomes, ao menos sabe que é uma pessoa que trabalha ali, ou mora lá ou mesmo acolá. O interior do brasil é lindo demais.
            Caras leitoras e leitores têm que entender é o seguinte, somos sujeitos históricos, nós escrevemos nossa história, o que está sendo formatado para o Brasil vai ser motivo de cientista e estudiosos num futuro próximo, vai virar Dialética. A complexa rede social em que vivemos hoje é o produto da dinâmica social e estudos dos historiadores, sociólogos, antropólogos e tantos outros, pois então somos responsáveis sobre o que estamos fazendo, vai ser desvendada esta complexidade já. A rede social é algo existente e tão virtual quanto à rede de informações e comunicação interligada, a Internet. Cada um sujeito é um elo desta enorme rede, somos capazes de fazer a diferença é só termos força de vontade.
            Fica um recado de um velho amigo e ideólogo Apolônio de Carvalho: “Sonhar é preciso!” Sonho com uma ação respeitosa para um futuro promissor, já que não vejo os sujeitos históricos, entes públicos, tratarem dos reais problemas que a raça humana está passando, as transformações globais. Algum ente público diz: vamos diminuir o consumo de petróleo e seus derivados; vamos deixar nossos carros em casa e usar o transporte público, bicicletas ou andar; vamos nos responsabilizar sobre o esgoto químico, as bolsas e sacolas plásticas, garrafas, sofás e tantas outras coisas encontrados nos córregos, riachos e rios, já que vem às chuvas aí.
Nos próximos textos irei discutir mais profundamente os Mecanismos de Desenvolvimento Limpo, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, o Protocolo de Quioto, Agenda 21 e tantos outros métodos, técnicas, tratados e convenções já assinados e tomados como responsabilidades pelo Brasil. E se eu sou brasileiro, eu tenho que cumprir, já que os que mandam não fazem por onde!?!?!?
            Boa leitura.